Energia

Geração de energia híbrida deve incentivar R$ 76 bilhões em investimentos e gerar 475 mil empregos nos próximos anos

A Aneel, Agência Nacional de Energia Elétrica anunciou recentemente o início de consulta pública para regulamentar o estabelecimento de usinas híbridas e similares no Brasil, a Sunlution é um pioneiro em painéis solares flutuantes no País, que insiste que a geração de energia híbrida pode atrair R $ 76 bilhões de investimentos e gerar 475 mil empregos em 10 anos, além de dar ao Brasil uma posição importante no mercado de energias renováveis, sua posição no mercado de hidrogênio verde.

A Suluntion cooperou com a Chesf na Usina Hidrelétrica Sobradinho, na Bahia, e na Usina Fazenda Figueiredo, em Cristalina, em Goiás, em São Paulo, BYD e KWP tornaram-se parceiras a Sunlution implantou um sistema na barragem Billings com bóias e painéis, feito para Emae, Brasil.

Luiz Piauhylino Filho, sócio-diretor da Sunlution, afirmou: “Recentemente, vimos governos municipais e estaduais verem as parcerias público-privadas (PPP) como uma solução para investir em geração limpa de energia, é uma ótima notícia, mas é preciso focar na geração de empregos, o impacto social positivo das oportunidades, não só da economia do setor público, esses investimentos vão abrir um novo mercado de trabalho, e os interessados ​​agora devem buscar qualificação. ”

O lançamento de projetos solares flutuantes também afetará o mercado de trabalho, as previsões do setor indicam que, como essa situação deve mudar nos próximos 10 anos, a expectativa é que 17% dos profissionais sejam transferidos para novos empregos.

A tendência no setor de energias renováveis ​​é que as principais vagas sejam de eletricistas, engenheiros elétricos e operadores de drones, a usina fotovoltaica vai abrir vagas em construção, operação e manutenção.

Luiz acrescentou ainda: “As empresas dos setores de fertilizantes, siderurgia e cimento têm demonstrado preocupação em se adequar às normas internacionais, o que exigirá uma cadeia produtiva limpa, esse é um caminho irreversível porque o mercado cobra taxas”.

Voltar ao Topo