Portos

Construção do porto liderado pela China inicia e visa aumentar a logística no Brasil

Um consórcio liderado pela China Communications Construction Company lançou na sexta-feira a primeira pedra para a construção de um porto que visa impulsionar o desenvolvimento regional e fortalecer os laços econômicos entre a China e o Brasil.

O projeto Port of Sao Luis está sendo realizado em colaboração com as empresas brasileiras WPR e Lyon Capital, e a empresa chinesa detém uma participação de 51%. A construção da porta levará quatro anos e custa cerca de 800 milhões de reais (243,8 milhões de dólares), gerando cerca de 4.000 empregos.

O embaixador chinês no Brasil, Li Jinzhang, disse que, enquanto participava da cerimônia de lançamento da construção, o porto deveria impulsionar o desenvolvimento regional e atrair mais empresas, incluindo as chinesas, para o nordeste do Brasil, uma área que já é favorável ao negócio.

O porto terá uma capacidade de movimentação anual estimada de 10 milhões de toneladas de cargas, das quais 7 milhões serão grãos – especialmente soja e milho. Cerca de 1,5 milhão de fertilizantes e 1,5 milhão de carga geral farão o resto.

Além disso, espera-se que o porto seja capaz de acomodar 1,8 milhões de metros cúbicos de produtos petrolíferos.

Flavio Dino, governador do estado brasileiro do Maranhão – do qual São Luís é a capital – também esteve presente na cerimônia. Ele desejou o sucesso da joint venture.

O projeto faz parte da iniciativa Belt and Road proposta pela China em 2013 para impulsionar o desenvolvimento de infra-estrutura, como ferrovias, estradas, portos, oleodutos e redes elétricas. A China disse que a iniciativa está aberta a todas as nações que desejam se juntar.

As estradas e ferrovias que conectam o porto com as áreas interiores também serão construídas para que o transporte de produtos agrícolas produzidos no Maranhao para outros estados seja melhorado.

“Uma vez que o porto esteja completo, ele integrará o corredor de logística da região nordeste do Brasil … resolve alguns dos problemas de estrangulamento que o Brasil enfrenta na logística”, afirmou Chen Zhong, um representante da China Communications Construction Company, na cerimônia.

Voltar ao Topo