Petróleo

Furacão Delta interrompe a maior parte da produção de petróleo offshore dos EUA em 15 anos

O fortalecimento do furacão Delta desferiu o maior golpe na produção offshore dos EUA no Golfo do México em 15 anos, interrompendo a maior parte do petróleo da região e quase dois terços de sua produção de gás natural.

Uma tempestade já grande e poderosa, a Delta pode se intensificar ainda mais na sexta-feira, conforme se agita na principal área de produção de petróleo do Golfo. Seus ventos chegaram a 120 milhas por hora (195 kmh), de acordo com o National Hurricane Center.

A Delta fechou 1,67 milhão de barris por dia, ou 92% da produção de petróleo do Golfo, a maior desde 2005, quando o furacão Katrina destruiu mais de 100 plataformas offshore e impediu a produção por meses.

Os preços do petróleo caíram no início do pregão na Ásia na sexta-feira, mas estavam a caminho de ganhos de cerca de 10% na semana, impulsionados por interrupções no Golfo do México e uma disputa trabalhista no Mar do Norte. Os dois combinados retiraram 3,17 milhões de barris por dia do mercado.

Os trabalhadores evacuaram 279 instalações offshore do Golfo do México e os produtores moveram 15 sondas de perfuração para longe do grande e forte campo de vento da Delta. Os ventos de força tropical se estendem por até 160 milhas de seu centro, disse o NHC, um sinal de seu grande tamanho.

O Delta diminuirá à medida que se aproxima da costa, mas espera-se que permaneça como uma tempestade de categoria 3 na escala Saffir-Simpson de 5 etapas. Ele trará uma tempestade de 1,2-3,3 metros (4 a 11 pés) para a costa perto do landfall, disse o NHC.

Além do petróleo, os produtores pararam quase 62% da produção de gás natural da região, ou 1,675 bilhões de pés cúbicos por dia. Os campos offshore do Golfo do México produzem cerca de 15% do petróleo bruto dos EUA e 5% da produção de gás natural.

A Total SA começou na quinta-feira a fechar uma unidade de processamento de petróleo em sua refinaria de 225.500 barris por dia (bpd) em Port Arthur, Texas, devido à ameaça do furacão Delta, disseram pessoas familiarizadas com as operações da planta.

A Royal Dutch Shell Plc disse que continuará operando suas refinarias em Convent, Geismar e Norco, Louisiana, durante a tempestade.

Voltar ao Topo