Petróleo

EUA e UE fecham acordo de GNL enquanto Europa busca cortar gás russo

Os Estados Unidos trabalharão para fornecer 15 bilhões de metros cúbicos (bcm) de gás natural liquefeito (GNL) aos mercados da União Europeia este ano, enquanto a Europa procura se livrar do fornecimento de gás russo, de acordo com uma ficha informativa fornecida pela Casa Branca.

O presidente dos EUA, Joe Biden, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciarão na sexta-feira a formação de uma força-tarefa para reduzir a dependência da Europa dos combustíveis fósseis russos após a invasão russa da Ucrânia.

A Comissão também trabalhará com os países da UE para garantir que eles possam receber cerca de 50 bcm de GNL adicional até pelo menos 2030, disse a ficha informativa fornecida pela Casa Branca.

Não ficou claro se se referia a valores adicionais aos 22 bcm de exportações dos EUA para a União Européia no ano passado.

O bloco já intensificou os esforços para garantir mais GNL após negociações com vários países fornecedores, resultando em entregas recordes de 10 bcm de GNL em mais de 120 navios em janeiro.

Naquele mês, as entregas nos EUA subiram para 4,4 bcm, cerca do dobro do valor normal para janeiro.

Cerca de 10% das necessidades de gás da UE são atendidas pela produção doméstica. A Rússia normalmente fornece cerca de 41% do restante das necessidades do bloco.

Consulte Mais informação:

China diz que quer evitar sanções dos EUA sobre invasão da Ucrânia pela Rússia

 

Voltar ao Topo