Offshore

Equinor sanciona desenvolvimento de campo de 8 bilhões de dólares no Brasil

A empresa norueguesa de petróleo e gás Equnior tomou uma decisão final de investimento para o desenvolvimento do campo de Bacalhau no exterior do Brasil.

O desenvolvimento do campo localizado na Bacia de Santos custará cerca de US$ 8 bilhões.

Arne Sigve Nylund,vice-presidente executivo de Projetos, Perfuração e Compras da Equinor, disse: “Este é um dia emocionante. A Bacalhau é o primeiro empreendimento greenfield de uma operadora internacional no pré-sal e criará grande valor para o Brasil, Equinor e parceiros. A boa cooperação com parceiros, autoridades brasileiras e fornecedores resultou em uma decisão de investimento para o campo de Bacalhau.”

“Bacalhau é um projeto globalmente competitivo com um break-even abaixo de USD 35 em uma região de energia chave. As reservas recuperáveis estimadas para a primeira fase são de mais de um bilhão de barris de petróleo”, diz Nylund.

O plano de desenvolvimento foi aprovado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) em março de 2021.

Ele inclui 19 poços submarinos que serão vinculados de volta a um FPSO a ser fornecido pela MODEC. A primeira produção de petróleo está prevista para 2024.

O campo está localizado a 185 km do litoral do município de Ilhabela/SP, no estado de São Paulo, em profundidades de água de 2050 metros.

“Bacalhau é um passo importante para a concretização de nossa ambição estratégica de aprofundar nossa presença no Brasil. É também um projeto importante para o país, pois representa investimentos significativos, efeitos de ondulação na cadeia de suprimentos e geração de empregos locais”, diz Veronica Coelho, country manager da Equinor no Brasil.

O campo de Bacalhau se espalha por duas licenças, BM-S-8 e Norte de Carcará. O FPSO no campo será um dos maiores FPSOs do Brasil com capacidade de produção de 220 mil barris por dia e dois milhões de barris em capacidade de armazenamento. O óleo estabilizado será descarregado para os tanques de transporte e o gás da Fase 1 será reinjetado no reservatório.

A empreiteira FPSO MODEC vai operar o FPSO pelo primeiro ano. Depois disso, a Equinor planeja operar as instalações até o final do período de licença.

Os sócios da Bacalhau são Equinor 40% (operadora), ExxonMobil 40%, Petrogal Brasil 20% e Pré-sal Petróleo SA (Empresa Governamental, Gestora PSA).

Voltar ao Topo