Offshore

Equinor lança nova meta de quase zero emissões

A Equinor lançou uma nova meta para reduzir as emissões absolutas de gases de efeito estufa de seus campos offshore operados e plantas onshore na Noruega em 40% até 2030, 70% em 2040 e quase zero em 2050.

Uma redução de 40% até 2030 será realizada através de medidas industriais em larga escala, incluindo eficiência energética, digitalização e o lançamento de vários projetos de eletrificação em campos e plantas importantes, de acordo com a Equinor. A ambição para 2030 exigirá investimentos de cerca de US $ 5,6 bilhões (NOK 50 bilhões) da Equinor e de seus parceiros, observou a Equinor.

Ambições de redução adicionais em direção a 70% em 2040 e próximas a zero em 2050 implicarão medidas adicionais, novos projetos de eletrificação, consolidação de infraestrutura, bem como oportunidades para desenvolver novas tecnologias e cadeias de valor, afirmou a Equinor.

As emissões totais para os campos e plantas operados pela Equinor em 2018 foram de cerca de 13 milhões de toneladas, de acordo com a empresa.

“A Equinor apóia o acordo de Paris e uma meta líquida zero para a sociedade”, disse Eldar Saetre, CEO da Equinor, em comunicado da empresa.

“Já reduzimos as emissões de CO2 no processo de produção aos níveis líderes do setor. Agora estamos lançando um conjunto de ambições sem precedentes para ação industrial vigorosa e reduções absolutas substanciais de emissões na Noruega, visando quase zero em 2050 ”, acrescentou.

“A colaboração é fundamental para combater as mudanças climáticas. Agradecemos a estreita cooperação com nossos parceiros e fornecedores do setor e, para realizar essas ambições, precisamos de uma colaboração ainda mais estreita entre os setores e com as autoridades ”, continuou Saetre.

No mês passado, a Schlumberger revelou que havia se comprometido a estabelecer uma meta “baseada na ciência” para reduzir suas emissões de gases de efeito estufa. Em 3 de dezembro, a Repsol revelou que pretende ser  uma empresa com zero emissões líquidas até 2050 e, em um anúncio separado no mesmo dia, a Energean, com sede em Londres, prometeu ser uma empresa com zero emissões líquidas no mesmo ano.

Em novembro, a Saudi Aramco anunciou que se  juntaria à Zero Routine Flaring até 2030, Iniciativa do Banco Mundial . Em outubro, a Chevron Corporation revelou que havia estabelecido  novas metas de redução de gases de efeito estufa , a Total  dedicou um fundo de US $ 400 milhões à neutralidade de carbono  e a Aker Solutions anunciou que pretende gerar quase metade de sua receita com  soluções renováveis ​​e distintas de baixo carbono  até 2030.

Voltar ao Topo