Offshore

Equinor contratará mais funcionários em usinas onshore após incêndios em 2020

Os incêndios que paralisaram duas fábricas da Equinor na Noruega no ano passado foram causados por erros técnicos e humanos, disse a empresa de energia na quarta-feira, prometendo contratar e treinar mais funcionários. Um incêndio em setembro passado no Hammerfest LNG , única usina de gás natural liquefeito em larga escala da Europa, causou uma paralisação prevista para durar 18 meses, enquanto um incêndio em dezembro na instalação de metanol tjeldbergodden levou dois meses para ser reparado.

“Estamos reforçando nosso recrutamento de recursos de engenharia dentro de disciplinas elétricas e até 50 trabalhadores qualificados estão destinados às instalações onshore”, disse a empresa em
comunicado.

Os sindicatos que representam os trabalhadores do petróleo pediram repetidamente à Equinor que aumente o pessoal e o treinamento em fábricas onshore.

Embora o incêndio em Tjeldbergodden tenha sido causado por uma turbina a vapor desgovernada após o mau funcionamento de sua válvula de desligamento, a autoignição de filtros em uma entrada de ar na usina de GNL foi resultado de vários “fatores diretos e subjacentes”, disse a Equinor.

Os investigadores da Equinor discordaram, no entanto, das conclusões anteriores da Autoridade de Segurança do Petróleo da Noruega ( PSA) de que a manutenção do filtro na fábrica de GNL poderia ter sido um fator contribuinte.

A PSA disse que os filtros não eram substituídos desde 2015, enquanto a empresa costumava trocá-los a cada dois anos antes. “O grupo de investigação não acredita que o intervalo de manutenção para a troca dos filtros que autoincendiaram seja uma causa contribuinte”, disse Aquinor. A PSA ainda não publicou suas descobertas sobre o incêndio do metanol.

Voltar ao Topo