Petróleo

Equinor vê campo petrolífero peregrino do Brasil reiniciando

O campo petrolífero peregrino da Equinor, na costa do Brasil, está a caminho de reiniciar no primeiro semestre deste ano após vários atrasos, disse um porta-voz nesta segunda-feira.

O campo de petróleo pesado na bacia de Campos foi fechado em abril do ano passado devido ao rompimento da chamada plataforma Peregrino A durante um teste. Como o rompimento foi causado por corrosão, a empresa decidiu reparar ou substituir outros risers.

“O campo de Peregrino no Brasil ainda está fechado devido à ruptura do riser”, disse a empresa em carta a analistas na segunda-feira, antes do relatório trimestral de resultados previsto para 29 de abril.

A Equinor tinha inicialmente esperado concluir os reparos até o final de 2020 e, em seguida, no primeiro trimestre de 2021, mas o progresso foi desacelerado pela pandemia COVID-19, disse a empresa.

“Esperamos que a produção (da Peregrino) seja retomada no primeiro semestre de 2021”, disse um porta-voz da Equinor na segunda-feira, reiterando as perspectivas dadas no relatório anual da empresa publicado em 19 de março.

A empresa estimou que os reparos custaram cerca de US$ 60 milhões líquidos à empresa, classificados como custos operacionais, e se espalharam ao longo do último trimestre de 2020 e do primeiro trimestre de 2021.

A produção de ações da Equinor de Peregrino caiu para 9.000 barris de óleo equivalente por dia (boed) em 2020, abaixo dos 37 mil boepd do ano anterior.

A produção total de petróleo e gás da empresa foi de 2,1 milhões de boepd no ano passado, com 40% produzido fora da Noruega.

A estatal chinesa Sinochem detém 40% de participação em Peregrino.

Voltar ao Topo