Energia

ENGIE e Grupo BC Energia anunciam parceria em projeto de geração híbrida em Goiás

A ENGIE, uma das principais empresas do segmento de geração solar fotovoltaica do país, e o Grupo BC Energia anunciaram nesta terça-feira, 24, parceria na implantação de um projeto de usina híbrida ‘solar-hídrica’ no município de Caiapônia, sudoeste goiano, a 318 km de Goiânia.

A usina híbrida será instalada no complexo Rio Bonito, de propriedade do Grupo BC Energia, que já conta com duas Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGH) Rio Bonito I e II, com potência total instalada de 1.900 kVA. O projeto da usina fotovoltaica que será agregada ao complexo de geração hidrelétrica foi desenvolvido pela ENGIE e tem conclusão prevista para início de 2019.

O empreendimento é o maior sistema de geração híbrida do estado de Goiás e um dos maiores do Brasil em volume de energia a ser injetado na rede, na modalidade de compensação, em que o excedente de energia não consumido no momento da geração é  transformado em créditos junto à concessionária de energia para consumo futuro.

As plantas de geração do complexo foram locadas por três grandes grupos de varejo regionais que passaram a gerar sua própria energia. Serão 142 unidades consumidoras – ou o equivalente a 20% das atuais unidades de Geração Distribuída de Goiás – que passarão a desfrutar da autoprodução. “Os clientes da usina híbrida terão o benefício financeiro da geração própria de energia e ainda colaboram com meio ambiente produzindo e consumindo energia descarbonizada e renovável”, explica Rodrigo Kimura, diretor de Operações da ENGIE Geração Solar Distribuída.

Serão 3.780 módulos solares situados em uma área de 14.000 metros quadrados ao lado da usina hidrelétrica com potência inicialmente contratada de 1,25 MW. “Mas o projeto já está sendo ampliando para 1,50 MW e, com a otimização dos sistemas, irá gerar um total de 11.000 MWh/ano, sendo 8.000 MWh/ano de fonte hídrica e 3.000 MWh/ano de fonte solar fotovoltaica”, explica Carlos Cunha, vice-presidente do Grupo BC Energia. O investimento previsto é de R$ 16 milhões, sendo R$ 4,3 milhões na parte solar e, quando estiver em funcionamento, o complexo solar-hídrico deverá produzir energia suficiente para abastecer uma cidade com 33.000 residências.

“Para implantação do projeto, a BC Renováveis, responsável pelos ativos de geração do grupo BC Energia, procurou a ENGIE para realizar o empreendimento no modelo turnkey pela relevância e solidez da empresa no setor de geração de energias renováveis”, explica Cunha. “Essa parceria firmada representa o fortalecimento das empresas de forma regional e nacional. De um lado a ENGIE, uma empresa referência mundial em energia solar fotovoltaica, e, de outro, o Grupo BC Energia atuando no setor elétrico com geração e comercialização desde 2014, uma referência no Estado de Goiás”, completa.

Ao mesclar a geração solar fotovoltaica, que é intermitente, com a geração hídrica, a usina híbrida consegue manter uma regularidade de geração ao longo do ano, pois nos períodos secos, em que as Centrais Geradoras Hidrelétricas têm uma redução significativa, a unidade solar consegue manter a média de energia elétrica injetada na rede da distribuidora.

“O conceito de sistemas híbridos pode viabilizar economicamente muitos projetos de geração distribuída. Acreditamos que ter uma fonte que seja complementar à solar e que ofereça um volume de energia injetada em horários nos quais a rede está sofrendo uma demanda maior, no caso à noite, será benéfico ao sistema”, conclui Cunha.

Voltar ao Topo