Energia

Energia eólica offshore promete impulsionar o futuro do Brasil

Com cerca de 7.491 quilômetros de costa, o Brasil possui imenso potencial para algumas das mais modernas tecnologias de energias renováveis: a energia eólica offshore, que utiliza turbinas eólicas fixas ou flutuantes instaladas no mar.

O país está entre os destaques de estudo recente sobre o assunto, produto do Programa de Assistência Administrativa ao Setor de Energia e da International Finance Corporation, braço do Grupo Banco Mundial para o desenvolvimento do setor privado.

Grandes desenvolvedores de energia eólica offshore apresentam planos para vários gigawatts de novos projetos eólicos offshore no Brasil.

Estados Extensão (km) Percentual (%)
Bahia 932 12,4
Maranhão 640 8,7
Rio de Janeiro 636 8,6
Rio Grande do Sul 623 8,5
São paulo 622 8,5
Amapá 598 8,1
Ceará 573 7,8
Pára 562 7,6
Santa catarina 531 7,2
Rio Grande do Norte 410 5,7
Espírito Santo 392 5,3
Alagoas 229 3,1
Pernambuco 187 2,5
Sergipe 163 2,2
Paraíba 117 1,6
Paraná 98 1,3
Piauí 66 0,9
Total 7.379 100

A Equinor solicitou ao órgão ambiental federal brasileiro, o IBAMA, permissão para realizar um estudo de impacto ambiental que “examinará a possibilidade de desenvolver um projeto de parque eólico offshore” nas águas do país.

O desenvolvedor não tem planos detalhados, mas a mídia local informa que o desenvolvedor está desenvolvendo um parque eólico em uma área de 4,66 GW dividida em dois campos de 2,33 GW chamados de Aracatu 1 e Aracatu 2.

Os projetos de energia eólica estão localizados nos estados vizinhos do Rio de Janeiro e Espírito Santo, não no sudeste do país.

Voltar ao Topo