Energia

Energia eólica cresceu 1.115 MW no Brasil este ano, com mais de 34 projetos em várias regiões do Piauí a Bahia

Segundo dados da agência, foram registrados cinco novos parques eólicos em novembro, com capacidade instalada total de 155,4 MW, divididos em dois parques eólicos, um na Bahia e outro em Piauí.

Apesar do rápido crescimento, devido à adição da UTE Porto de Sergipe em março, as termelétricas são as que mais crescem no setor elétrico neste ano, gerando 1.500 MW no SIN, neste ano, 2.034 MW de recursos eólicos passaram a operar no Brasil nos estados da Bahia e Piauí.

Nos estados da Bahia e Piauí, o setor de energia eólica é o mais comum e pode ser considerado o segundo maior setor de energia eólica, distribuído em 34 empreendimentos com um total de 1.115 MW, seguido de 628 MW de energia solar fotovoltaica de 16 fábricas, 15 pequenas centrais hidrelétricas aumentaram 156,16 MW e um CGH, dos quais 1 MW não foi lançado no Brasil este ano.

Como resultado, a Aneel destacou que nos últimos 45 dias de cada ano, fábricas com mais de 379 MW entrarão em operação em diferentes estados, mas excluindo as províncias da Bahia e do Piauí.

Quase um total de 338,85 megawatts de energia eólica, mais 28,20 megawatts de energia solar e outros 11,89 megawatts de termelétricas. Com isso, serão 4.313 MW de novas usinas até o final deste ano.

Nos últimos dez anos, foi o terceiro com a menor produção entre as novas usinas, perdendo apenas para 3.982 MW em 2012 e 4.199 MW em 2011.

No entanto, nos próximos dois anos, o número de operações deve acelerar novamente, estima-se que até 2021 a geração de energia no segundo ano alcance 7.139 MW e 13.564 MW, caso se confirme, será o maior patamar desde que a Aneel iniciou a medição da série histórica em 1997.

Voltar ao Topo