Notícias

Enel deve cogitar fazer listagem de suas empresas no Brasil

Enel

Maior concessionária da Europa, Enel  pode cogitar listar seus negócios no Brasil da mesma forma que fez em outros lugares como Espanha e Chile, disse o presidente-executivo do grupo na quinta-feira.

“Se somos um jogador significativo em qualquer país que tem uma bolsa de valores líquida e operacional, então devemos ter uma entidade listada naquele país”, disse Francesco Starace em uma teleconferência sobre os resultados do primeiro semestre.

A Enel, que tem cerca de 70 milhões de clientes de energia e gás em todo o mundo, controla a concessionária espanhola Endesa e também controla a Enel Chile e a Enel Americas.

“Acho que é algo que precisamos discutir (com os acionistas)”, disse Starace.

No Brasil, a Enel opera redes de distribuição de energia no Rio, Ceará, Goiás e São Paulo e teve cerca de 3,6 gigawatts (GW) de capacidade renovável no primeiro trimestre de um total de 4 GW.

Os comentários do CEO ocorreram no momento em que a Enel manteve sua projeção para o ano, já que os gastos nos primeiros seis meses aumentaram 16,3% para impulsionar o crescimento em seus principais negócios de redes e energia verde.

O lucro básico ordinário no período caiu 4,9% para 8,36 bilhões de euros (US $ 9,9 bilhões), principalmente devido a um ganho pontual registrado no ano passado e à desvalorização da moeda, em linha com o consenso de um analista.

“No segundo trimestre, o desempenho do grupo viu uma aceleração sólida e visível, levando os principais valores operacionais de volta aos níveis pré-COVID”, disse Starace.

O grupo adicionou 1,3 GW de nova capacidade renovável no primeiro semestre e disse que tinha como meta um acréscimo anual recorde de 5,8 GW.

A Enel, que gera a maior parte de seus ganhos com energia renovável e redes de distribuição, tem como objetivo cortar suas emissões de carbono em 80% até 2030, aumentando a capacidade verde para 120 GW.

No final de junho, tinha quase 50 GW de capacidade renovável e um pipeline bruto de projetos totalizando cerca de 305 GW.

A dívida líquida no final de junho era de 50,418 bilhões de euros, um aumento de 11% em relação ao final do ano passado devido aos investimentos em seus negócios na América Latina e efeitos cambiais.

Voltar ao Topo