Economia

Empresas de Petróleo e Gás pretendem investir na aquisiçãodo 5G para ampliar a transição digital

As empresas do setor de óleo e gás querem investir nas aquisições de 5G, uma rede tecnológica que pode garantir uma transição digital rápida e proteger os dados em suas operações, pois os ataques de hackers são mais frequentes atualmente.

O IBP, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás Natural vem se reunindo com outras instituições para que a regulamentação do ano que vem sobre a licitação de novas faixas de frequência traga frequências específicas para a indústria de petróleo e gás.

A Anatel, Agência Nacional de Telecomunicações assinou um contrato com a ABDI, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial, para realizar testes de rede 5G no Brasil apenas para fins comerciais.

A tecnologia 5G é a rede de Internet móvel da próxima geração, as promessas trarão velocidades mais rápidas, cobertura mais ampla e conexões mais estáveis ​​para download e upload.

A ideia é usar o melhor espectro de radiofrequência e permitir que mais dispositivos acessem simultaneamente a Internet móvel.

De acordo com especialistas, o 5G permitirá que mais de um milhão de dispositivos sejam conectados por metro quadrado.

A tecnologia deve chegar definitivamente ao Brasil no ano que vem, o leilão 5G do país deve ser a maior frequência de rádio da história do país e a maior venda pública mundial de capacidade de tecnologia móvel de quinta geração.

Segundo o ministro das Comunicações, Fábio Faria, por conta da pandemia covid-19, o leilão está previsto para ocorrer no final de 2020 e, portanto, adiado.

Voltar ao Topo