Petróleo

Corte de produção da Petrobras menor que o esperado

A produção de petróleo da Petrobras em abril será maior que os 2,07Mb / d (milhão de barris por dia) esperada e alcançará 2,26Mb / d, mesmo que a empresa brasileira inicialmente reduza a produção em 200.000b / d, com a demanda internacional incerta.

Em comunicado divulgado nesta segunda-feira, a empresa disse que a demanda está acima do esperado, apesar da turbulência no setor devido ao menor consumo de petróleo em meio à pandemia de coronavírus. Embora a China seja o principal destino dos produtos da Petrobras, as restrições de mobilidade no país durante o primeiro trimestre não afetaram muito as atividades da empresa.

Ainda assim, a empresa disse que o corte na produção e a redução do fator de utilização das refinarias de 79% para 60% ajudaram a gerar caixa e reduzir estoques, tornando desnecessário fretar embarcações de armazenamento.

“O ambiente de incertezas se reflete em uma dinâmica de mercado muito fluida, que requer monitoramento contínuo para otimizar o gerenciamento da capacidade produtiva”, afirmou o comunicado.

Entre janeiro e março, a produção média de petróleo, LGN e gás natural da Petrobras foi de 2,9Mboe / d (milhão de barris de petróleo equivalente por dia), um aumento de 14,6% em relação ao ano anterior. O crescimento resultou do aumento das plataformas que entraram em operação em 2018 e 2019, quando as unidades P-74, P-75, P-76 e P-77 iniciaram atividades no campo de Búzios ; as P-67 e P-69 no campo Lula e P-68 em Berbigão e Sururu.

No início deste mês, a empresa teve que interromper a produção em duas plataformas offshore devido a infecções dos trabalhadores por coronavírus. Para minimizar os possíveis impactos, a empresa começou a testar todos os funcionários antes que eles pudessem embarcar nas plataformas.

A Petrobras está se preparando para iniciar a produção de sua unidade P-70 (foto) no campo de Atapu, no pré-sal da bacia de Santos . As atividades de ancoragem e interconexão na plataforma estão sendo concluídas, com início de produção previsto para o final de junho.

A empresa também está aprimorando sua capacidade logística para aumentar as exportações, permitindo uma melhor navegação no mercado interno, considerando a demanda reduzida. Internacionalmente, a demanda aumentou por combustíveis da Petrobras com menor teor de enxofre, porque eles facilitam o cumprimento de novas políticas que exigem combustíveis marítimos menos poluentes.

Durante o primeiro trimestre, a produção média de derivados de petróleo foi de quase 1,84Mb / d, um aumento de 5,5% em comparação com o mesmo período do ano passado. Em fevereiro, a empresa estabeleceu um novo recorde para as exportações de óleo combustível, atingindo 238.000 b / d.

“Embora haja uma queda na demanda global, a vantagem competitiva de nossos produtos, a retomada gradual da China, um forte parceiro comercial e a constante busca de novos mercados para nossos produtos, trazem a expectativa de que continuaremos com bom desempenho em nossas exportações ”, afirmou a Petrobras.

Voltar ao Topo