Notícias

Luz vai ficar mais cara: entenda o motivo do aumento

conta de luz

Sim, a conta de luz já está com a bandeira vermelha, até então a mais alta de energia, mas deve ficar ainda mais cara nas próximas semaneas. Entenda a mudança e quando ela se reflete no seu bolso.

O aumento médio na conta de luz deve ser de mais de 7%, de acordo com as estimativas da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O motivo é um reajuste que a agência irá fazer nas bandeiras.

O sistema de bandeiras funciona da seguinte forma: todos os meses, as pessoas pagam pelo seu consumo de energia. Dependendo das condições de abastecimento no país, pode haver um acréscimo ao valor final da conta – esse acréscimo é a bandeira, que pode ser verde, amarela, vermelha patamar 1 e vermelha patamar 2. A cada bandeira, o acréscimo vai ficando mais caro.

Atualmente, a conta de luz já está na bandeira mais alta (vermelha patamar 2), portanto, o aumento que acontecerá em breve vem de um reajuste no próprio valor das bandeiras: até o fim de junho, a Aneel deve deixá-las cerca de 20% mais caras, o que, por sua vez, deve impactar a conta final dos brasileiros em mais de 7%.

Por que as bandeiras estão sendo reajustadas?

Reajustar as bandeiras é uma prática comum, mas raramente o aumento é tão alto. Isso está acontecendo agora porque o Brasil passa hoje pela pior crise hídrica dos últimos 91 anos.

Segundo  o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone, a falta de chuvas está atrapalhando o abastecimento de energia do país, já que 65% da matriz energética brasileira vem de hidrelétricas.

Em outras palavras, as hidrelétricas não estão dando conta de abastecer a população. Por isso, é necessário usar também as usinas termelétricas – que são mais caras.

A expectativa é que essa crise hídrica fique ainda mais grave nos próximos meses e que o uso das termelétricas deverá custar cerca de R$ 9 bilhões até novembro de 2021. Segundo Pepitone, isso provavelmente significará mais um reajuste de 5% na tarifa básica em 2022 – o que vai aumentar ainda mais a conta de luz (ou seja, luz ainda mais cara no ano que vem).

Qual é o valor das bandeiras hoje?

Hoje, as bandeiras são divididas entre verde, amarela e vermelha, com patamares 1 e 2, da seguinte forma:

  • Bandeira verde: não há cobrança adicional à tarifa base. Ela é usada quando a produção de energia pelas usinas hidrelétricas está favorável e os reservatórios cheios;
  • Bandeira amarela: é cobrado R$ 1,34 por 100 Kwh consumidos, acrescidos na tarifa. Ela é usada quando as condições já estão ruins, mas ainda não é um cenário crítico;
  • Bandeira vermelha patamar 1: a cobrança adicional é de R$ 4,16 por 100 Kwh. Esta bandeira é usada em cenários de escassez;
  • Bandeira vermelha patamar 2: o adicional sobe para R$ 6,24 por 100 Kwh. Ela é usada apenas quando o cenário de abastecimento é crítico, e as hidrelétricas não conseguem mais suprir a demanda por energia.

A Aneel ainda não definiu o valor exato do reajuste para as bandeiras, mas o diretor-geral afirmou que essa decisão deverá ser anunciada até o dia 30 de junho. A expectativa é que gire em torno de 20%.

Atualmente, o consumidor está sendo cobrado pela bandeira vermelha patamar 2, ou seja, a mais crítica. Porém, com o possível reajuste de 20% nas bandeiras, o novo valor deve ser superior a R$ 7,50 por 100 Kwh consumidos. Em consulta pública recente realizada pela Aneel, o valor sugerido foi de R$ 7,57.

Para se ter uma ideia, a sua geladeira consome, em média, 53 Kwh ao mês. Ou seja, apenas deixar a geladeira ligada vai custar, proporcionalmente, cerca de R$ 4,01 a mais por mês.

O impacto do primeiro aumento já deve ser sentido no bolso do consumidor nos próximos meses.

Conta de luz: quais são os seus direitos?

A Aneel também anunciou a prorrogação por mais 90 dias da proibição ao corte de energia elétrica por falta de pagamento de famílias de baixa renda.

Ou seja: famílias de baixa renda (que estão cadastradas para pagar a tarifa social) não poderão ter a luz cortada por falta de pagamento pelo menos até setembro.

A decisão deve assegurar que  mais de 12 milhões de consumidores não sofram com a falta de energia. “O objetivo da agência é atenuar o sofrimento, resguardar o consumidor mais carente sem comprometimento das concessionárias de energia”, acrescentou Pepitone.

Voltar ao Topo