Empregos

Construção de terminal Intermodal vai gerar dezenas de postos de trabalho

Considerado um dos maiores investimentos privados do país com foco na exportação, o novo terminal intermodal da Fibria Celulose em Aparecida do Taboado vai fortalecer a logística, diversificar a economia e gerar emprego e renda. Na manhã desta quinta-feira (9), o governador Reinaldo Azambuja participou do lançamento da pedra fundamental da obra e reforçou a importância dos investimentos na atração de empresas, bem como o desenvolvimento que o terminal trará para toda Costa Leste do Estado.

O terminal intermodal vai atender o escoamento da produção de celulose da nova linha da Fibria em Três Lagoas (MS), realizando o transporte para o terminal de Macuco, no Porto de Santos (SP), de onde será exportada para clientes na Ásia, Europa e Estados Unidos. Integrando transportes rodoviário, ferroviário e portos, o terminal de Aparecida terá capacidade para escoar 1,95 milhões de toneladas de celulose por ano.

Foto: Edemir Rodrigues

“A parceira que desenvolvemos com a Fibria tem somado no desenvolvimento do nosso Estado. O Brasil precisa de mais parcerias com o setor privado. Se não fossem os incentivos ficais, hoje Mato Grosso do Sul não seria o 2º no ranking de geração positiva de empregos no país. A Fibria é uma empresa que tem gestão, resultado e por isso ficamos muito contentes de seguir consolidando essa união. O modal de escoamento vai gerar mais competitividade e reforçar a logística, mas muito mais que isso, vai alavancar nossa economia, gerando emprego e renda para nossa população”, declarou o governador.

O diretor de engenharia da Fibria, Júlio Cunha, informou que a nova área da Fibria seguirá o padrão estrutural de terminais de outras regiões do Brasil, que funcionam como polos concentradores de carga, aumentando a agilidade do escoamento por bitola larga (estrutura de trilhos que confere mais velocidade para os vagões).

“Ao investir na construção do terminal intermodal de Aparecida do Taboado damos mais um passo para reforçar o diferencial competitivo da Fibria em logística integrada às áreas de floresta e indústria, uma vez que o modal ferroviário representa maior atratividade econômica. Toda estrutura foi pensada no sentido de reforçar a agilidade no escoamento. Nossa previsão é finalizar a obra até julho. Esse entreposto é fundamental para nossa expansão e será o calcanhar de Aquiles da nossa empresa”, pontuou Cunha.

Alinhada à estratégia de desenvolvimento social da Fibria, a construção do terminal vai gerar 200 postos de trabalho durante o período de obras. Para o prefeito de Aparecida do Taboado, Robinho Sâmara, o terminal é mais uma obra que vai auxiliar no desenvolvimento do município e melhor a qualidade de vida dos moradores da região.

“O governador sempre que vem à nossa cidade traz grandes investimentos. Hoje Aparecida é a segunda cidade em geração de emprego no Estado, porque nos espelhamos na fala do Reinaldo, que na crise temos tirar o ‘s’ e criar oportunidades. Nós sempre ouvimos que Três Lagoas é a capital mundial da celulose e agora temos orgulho de dizer que Aparecida do Taboado é a capital mundial do transporte da celulose. Estamos muito contentes e nossa população só tem a ganhar”, afirmou Sâmara.

A nova linha de produção da Fibria em Três Lagoas está prevista para entrar em operação no início do quarto trimestre de 2017. Com a construção do intermodal em Aparecida, a unidade da empresa em Três Lagoas terá sua capacidade de produção ampliada de 1,95 milhão de toneladas de celulose/ano para 3,25 milhões de toneladas de celulose/ano.

Estiveram presentes os secretários de estado da Casa Civil, Sérgio de Paula; de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Jaime Verruck; de Obras, Marcelo Miglioli; os deputados estaduais Onevan de Matos, Felipe Orro, Eduardo Rocha, Cel Davi e Marcio Fernandes; além de prefeitos da região, vereadores, lideranças políticas e autoridades locais.

Fibria

A Fibria é hoje a líder mundial na produção de celulose de eucalipto. Com capacidade produtiva de 5,3 milhões de toneladas anuais de celulose, a companhia conta com unidades industriais localizadas em Três Lagoas (MS), Aracruz (ES), Jacareí (SP) e Eunápolis (BA), onde mantém a Veracel em joint-operation com a Stora Enso.

Em maio de 2015, a Fibria anunciou a expansão da unidade de Três Lagoas, que terá uma nova linha com capacidade produtiva de 1,75 milhão de toneladas de celulose por ano. A companhia possui 967 mil hectares de florestas, sendo 563 mil hectares de florestas plantadas e 343 mil hectares de áreas de preservação e de conservação ambiental. A celulose produzida pela Fibria é exportada para mais de 40 países.

Texto: Diana Gaúna – Subcom
Fotos: Edemir Rodrigues

Voltar ao Topo