Economia

Confiança do consumidor brasileiro sobe em fevereiro pela primeira vez em cinco meses

A confiança do consumidor no Brasil subiu em fevereiro pela primeira vez em cinco meses, apontou levantamento nesta quarta-feira, levantado pelo início de um programa nacional de vacinação contra COVID-19 e perspectiva de governo retomar transferências emergenciais de renda para o pobre.

A alta foi mais pronunciada entre os consumidores de menor renda, embora o nível geral de confiança ainda ficasse abaixo do registrado no final do ano passado, apontam os resultados da Fundação Getulio Vargas (FGV).

“O início da campanha de imunização contra a COVID-19 e a possibilidade de extensão da ajuda emergencial parecem ter diminuído o desânimo do consumidor em fevereiro”, disse a gerente de pesquisas da FGV Viviane Seda Bittencourt.

“Os níveis de confiança, porém, continuam baixos e a sustentação da tendência de alta dependerá de fatores como a velocidade da vacinação, a evolução da pandemia e, principalmente, a recuperação do mercado de trabalho”, afirmou.

O índice de confiança do consumidor da FGV subiu 2,2 pontos, para 78,0 pontos em fevereiro. Isso ainda estava abaixo dos 78,5 de dezembro.

A confiança entre aqueles na faixa de renda mais baixa, que ganham até 2.100 reais ($ 385) por mês, que se beneficiarão do programa de transferência de renda renovado, que provavelmente será lançado em breve, aumentou 5,8 pontos para 75,3.

As expectativas atuais e as perspectivas para os próximos meses melhoraram, embora ambas tenham ficado abaixo dos níveis de dezembro, disse a FGV.

Em geral, espera-se que a maior economia da América Latina cresça 3% ou mais neste ano, embora um número crescente de economistas preveja uma contração no primeiro trimestre.

Voltar ao Topo