Energia

Começa a operação dos dois maiores parques de energia solar no Brasil

Através de sua subsidiária de energia renovável Enel Green Power Brasil Participações Ltda. (“EGPB”), iniciou a operação de 546 MW de projetos de energia solar fotovoltaica no Brasil, constituídos pelos 254 MW Ituverava e os parques solares Nova Olinda de 292 MW, que são as maiores instalações fotovoltaicas da América do Sul atualmente em operação. Ituverava está localizada no município de Tabocas do Brejo Velho, no nordeste da Bahia, enquanto Nova Olinda está localizada no município de Ribeira do Piauí, no estado do nordeste do Piauí.

“O início da operação da Nova Olinda e da Ituverava é um marco importante para a nossa presença no Brasil, uma vez que confirma a nossa liderança no mercado fotovoltaico do país, bem como o nosso compromisso e a capacidade de entregar de forma rápida e eficiente os projetos que recebemos”, declarou. Antonio Cammisecra , chefe da Enel Green Power. “Com nossos projetos e expertise, podemos impulsionar o desenvolvimento do setor fotovoltaico do Brasil com o objetivo de fortalecer ainda mais o papel cada vez mais importante que a energia solar desempenha na diversificação do mix de geração do país e para atender às crescentes necessidades de energia”.

A Enel investiu cerca de 300 milhões de dólares na construção da Nova Olinda, como parte dos investimentos previstos no plano estratégico atual da empresa, e é financiada pelos recursos próprios do Enel Group, bem como por um financiamento de longo prazo fornecido pelo Banco do Nordeste (“BNB”). A instalação solar Nova Olinda de 292 MW, composta por quase 930 000 painéis solares em uma área de 690 hectares na região semi-árida, poderá produzir mais de 600 GWh por ano, uma vez que esteja totalmente operacional, o suficiente para atender às necessidades de consumo anual de cerca de 300 mil famílias brasileiras, evitando a emissão de aproximadamente 350 mil toneladas de CO2 para a atmosfera.

A construção da usina solar Ituverava de 254 MW exigiu um investimento de cerca de 400 milhões de dólares, também parte dos investimentos previstos no atual plano estratégico do Grupo Enel. A Ituverava é financiada com os recursos próprios do Grupo, bem como através de um financiamento de longo prazo fornecido pelo Banco da China e Santander, apoiado pela Corporação de Exportação e Crédito da China (Sinosure) e garantido pela Enel. A planta é composta por cerca de 850.000 painéis espalhados em uma área de 579 hectares e, uma vez que estão totalmente funcionando, poderão produzir mais de 550 GWh, o suficiente para satisfazer as necessidades anuais de consumo de energia de mais de 268.000 famílias brasileiras, evitando a emissão de mais de 318 000 toneladas de CO2 na atmosfera.

Ambos os parques solares são apoiados por um contrato de compra de energia de 20 anos (PPA) com a Câmara Brasileira de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

De acordo com o modelo de Criação de Valor Compartilhado (CSV) adotado pelo Grupo Enel, que visa combinar o desenvolvimento de negócios e as necessidades da comunidade local, a EGPB realizou iniciativas nas áreas que cercam as plantas para permitir a geração de renda, como oficinas de reciclagem criativas dirigidas a comunidades locais para a fabricação de móveis de materiais utilizados em obras de construção, tais como paletes.

No Brasil, o Grupo Enel, através das suas subsidiárias EGPB e Enel Brasil, possui uma capacidade renovável instalada total de cerca de 2.276 MW, dos quais 670 MW de energia eólica, 716 MW de energia solar fotovoltaica e 890 MW de energia hidrelétrica, bem como perto de 275 MW de capacidade atualmente em construção, dos quais 172 MW de vento e 103 MW de energia solar.

Enel Green Power, a divisão de Energias Renováveis ​​do Grupo Enel, é dedicada ao desenvolvimento e operação de renováveis ​​em todo o mundo, com presença na Europa, América, Ásia, África e Oceania. A Enel Green Power é líder global no setor de energia verde com uma capacidade gerenciada de cerca de 39 GW em uma mistura de geração que inclui energia eólica, solar, geotérmica, biomassa e hidrelétrica e está na vanguarda da integração de tecnologias inovadoras como sistemas de armazenamento em energias renováveis usinas de energia.

 

Voltar ao Topo