Economia

Cai para 33,8 milhões o número de pessoas mais isoladas do Brasil, diz IBGE

O número de pessoas gravemente isoladas para conter a pandemia COVID-19 caiu 1,6 milhão entre a segunda e a terceira semanas de setembro, totalizando 33,8 milhões, o que significa que 5,1 milhões de pessoas suspenderam as medidas de isolamento mais rigorosas na primeira três semanas de setembro.

Os dados constam da edição semanal da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) COVID-19, realizada especialmente para o período pandêmico, divulgada nesta sexta-feira (09), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O grupo de pessoas que reduziu o contato, mas continuou a sair de casa ou a receber visitantes aumentou 2,4 milhões na terceira semana de setembro.

Segundo o IBGE, pela primeira vez desde junho, quando o tema começou a ser abordado pela pesquisa, esse é o maior grupo entre os pesquisados, representando 40,5% da população brasileira.

As pessoas que adotaram esse comportamento mais flexível somam agora 85,7 milhões.

O Brasil tem 149.189 mortes por COVID-19 confirmadas até as 13h desta sexta-feira (09), segundo o consórcio de veículos de notícias do país que coleta dados, três vezes ao dia, diretamente das secretarias estaduais de saúde – e, portanto, tem números mais atualizados do que o Ministério da Saúde, o número total de infecções atingiu 5.035.744.

Voltar ao Topo