Notícias

Os brasileiros estão mais abertos à inovação bancária

O Brasil está entre os países considerados pioneiros na adoção de tecnologias no setor financeiro, segundo estudo da Accenture sobre a atitude do consumidor em relação à inovação no setor bancário.

A pesquisa realizada com mais de 47.000 pessoas em 27 países, incluindo 2.000 brasileiros, descobriu que os consumidores no país latino-americano estão mais abertos a novas formas de administrar seu dinheiro e são definidos como “tomadores de risco com experiência em tecnologia”.

A abertura às novidades não está relacionada ao desenvolvimento dos mercados analisados, uma vez que países como França e Japão foram considerados céticos quanto à adoção de novas tecnologias em serviços financeiros.

Por exemplo, cerca de 7% dos entrevistados no Japão disseram que estão usando novos serviços digitais – isso se compara a 43% dos consumidores brasileiros que afirmaram usar. O Brasil só é superado em abertura pelo México, onde 57% dos pesquisados ​​disseram usar inovações em serviços financeiros, e pela China, onde 61% adotaram as novidades.

Os usuários de mobile banking brasileiros verificam suas contas 23 vezes em média por mês, enquanto os chamados “heavy users”, que realizam mais de 80% das transações digitalmente, acessam suas contas bancárias cerca de 40 vezes por mês, segundo o relatório anual estudo realizado pela Deloitte, divulgado pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) em junho de 2020.

O número de contas abertas via smartphones cresceu 66% em 2019 em relação ao ano anterior, segundo a pesquisa, totalizando 6,5 milhões. Internet e mobile banking foram responsáveis ​​por 63% das transações bancárias no Brasil naquele ano.

Os pagamentos por meio de tecnologia de comunicação de campo próximo (NFC) também estão tendo um aumento constante no Brasil, com crescimento de 285% em novembro de 2020 em relação ao mesmo mês do ano passado, segundo pesquisa separada da Rede, braço de pagamentos do banco brasileiro Itaú Unibanco.

O estudo também observou que as transações usando NFC por meio de canais como e-wallets, smartwatches e cartões equipados com a tecnologia tiveram um aumento mensal constante de cerca de 20% desde maio de 2020. A pandemia de Covid-19 é a principal causa do aumento de popularidade dos pagamentos NFC, com consumidores e varejistas priorizando o método em vez do contato direto com terminais de pagamento ou outros dispositivos de ponto de venda nas lojas.

Voltar ao Topo