Economia

Brasil prevê safra de café em 2020 em 61,62 milhões de sacas, abaixo do recorde de 2018

Os cafeicultores brasileiros estão produzindo 61,62 milhões de sacas de café em 2020, um aumento acentuado em relação ao ano anterior, mas um pouco tímido em relação ao recorde de 2018, disse a agência governamental de estatísticas agrícolas Conab na terça-feira (22).

A produção do ano passado foi avaliada pela agência em 49,3 milhões de sacas, enquanto o recorde em 2018 foi estimado em 61,66 milhões de sacas, a estimativa anterior da Conab para a safra 2020, divulgada em janeiro, ficava entre 57,15 e 62,02 milhões de sacas.

A área cafeeira brasileira alterna anos de alta e baixa produção, característica dos cafeeiros arábica que compõem a maior parte das lavouras.

Em um relatório adiado pela pandemia, a Conab projetou a produção de café arábica em 47,37 milhões de sacas de 60 kg, em comparação com 34,29 milhões de sacas em 2019, a produção de arábica foi observada em janeiro na faixa entre 43,2 e 45,98 milhões de sacas.

A produção de café robusta foi estimada em 14,25 milhões de sacas contra 15 milhões de sacas em 2019.

“Além do fato de estarmos em um ‘ano’ no ciclo de produção bienal, as condições climáticas favoráveis ​​foram fundamentais para a boa produção”, disse a agência.

Os números da Conab ficaram abaixo das estimativas de mercado para a produção deste ano. Uma média das estimativas de analistas e comerciantes ouvidos pela Reuters indica uma safra em torno de 68 milhões de sacas.

A Conab disse que os agricultores estão usando cada vez mais recursos como sistemas de irrigação e colheita mecanizada, que aumentam as safras futuras, as safras de 2018 e 2020 tiveram os maiores rendimentos agrícolas já registrados, disse, cerca de 33 sacas por hectare.

A área de café do Brasil aumentou 1,4% de 2019 a 2020, disse a Conab, para 2,16 milhões de hectares, enquanto cerca de 300.000 hectares de cafeeiros plantados há alguns anos entraram em produção.

Voltar ao Topo