Óleo e Gás

Brasil pode vender sobra de energia para Argentina após queda na demanda nacional

Há alguns meses, a situação era impensável, quando o Brasil estava sofrendo com os baixos níveis dos reservatórios das hidrelétricas e arcava com altíssimos preços nas contas de luz, mas agora o cenário se reverteu e o País já estuda vender sobras de energia para a Argentina. Um dos principais fatores a gerar a nova conjuntura foi a enorme retração econômica, que reduziu o ritmo da indústria e gerou uma forte queda na demanda energética.

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), dirigido por Luiz Eduardo Barata, é uma das entidades que está na linha de frente das negociações com o país vizinho, retratando um possível acordo de fornecimento de energia firme para os hermanos, porém ainda não há data definida para a conclusão das tratativas.

Atualmente, os acordos de fornecimento de energia com países vizinhos giram em torno de trocas, prevendo o abastecimento mútuo em épocas de maior demanda em cada área.

Para a Argentina, por exemplo, era comum o envio de energia brasileira durante o inverno de lá, enquanto por aqui havia a previsão de recebimento de energia argentina no verão, mas os reguladores e líderes do setor nacional querem mudar a forma de relacionamento, estabelecendo contratos fixos, com valores pré-determinados de compra e venda dos montantes de energia fornecidos por cada parte.

Voltar ao Topo