Energia

Brasil junta-se à Agência Internacional de Energia

A Agência Internacional de Energia ( AIE ) anunciou que o Brasilse juntou à agência como um país da Associação e que o desenvolvimento abre novas vias de cooperação para um futuro energético mais seguro e sustentável com o maior país da América Latina.

Com o Brasil, a associação membro da AIE agora representa mais de 70% do consumo total de energia do mundo, em comparação com menos de 40% há apenas dois anos. Os sete países da Associação da IEA são Brasil, China, Índia, Indonésia, Marrocos, Cingapura e Tailândia.

O anúncio foi feito em Brasília por Fernando Coelho Filho , Ministro das Minas e Energia; Aloysio Nunes Ferreira, Ministro das Relações Exteriores; e Dr Fatih Birol, o Diretor Executivo da AIE. Birol e o Ministro Coelho também assinaram um programa de trabalho detalhado de três anos, destacando uma série de questões de interesse mútuo e cooperação.

“Com o anúncio de hoje da Associação IEA, estamos dando outro passo importante para colocar o Brasil no centro do debate global sobre questões-chave da política energética, incluindo energia renovável, eficiência energética, uso racional de combustíveis fósseis, segurança energética e desenvolvimento sustentável”, disse Coelho. .

A principal experiência do Brasil em bioenergia, hidromassagem e outras formas de energia limpa e convencional é reconhecida em todo o mundo e fornece uma excelente base para desenvolver soluções para desafios energéticos globais, informou a AIE em um comunicado. Ele acrescentou que a experiência do país no gerenciamento de recursos renováveis ​​em sua combinação de energia pode contribuir para discussões da AIE sobre um conceito alargado de segurança energética e que o Brasil também foi pioneiro no uso de leilões para contratos de longo prazo para energia renovável, um modelo que agora é bem sucedido aplicado como melhor prática em todo o mundo.

O Brasil e a AIE planejam trabalhar conjuntamente em uma ampla gama de atividades relacionadas à energia. Estes incluem a implementação da Plataforma Biofuture, que visa promover a coordenação internacional sobre combustíveis avançados com baixo teor de carbono. A AIE também apoiará o desenvolvimento do plano decenal de eficiência energética do Brasil e co-convocará um evento de capacitação em eficiência energética no Brasil para compartilhar experiências regionais e globais.

“A experiência do Brasil mostra que as políticas são importantes”, disse Birol. “Suas políticas energéticas de longo prazo determinadas e ambiciosas, o desenvolvimento de recursos de petróleo em águas profundas e o aumento da produção de biocombustíveis, servem de exemplo para países de todo o mundo. Como resultado, nossos dados mais recentes mostram que o Brasil se tornará um exportador de petróleo líquido este ano, o primeiro grande consumidor da história recente a alcançar essa reviravolta “.

Birol também felicitou o Brasil por sua recente e bem sucedida rodada de licitação em águas profundas. Depois de depender das importações de petróleo desde que os registros da IEA começaram na década de 1970, a IEA agora descobre que o Brasil se tornará um exportador líquido este ano e exportará quase um milhão de barris de petróleo por dia para os mercados mundiais até 2022. Este é o resultado de um 50 % de aumento na produção de petróleo na década passada graças a um impulso bem sucedido na produção de águas profundas e um programa de biocombustíveis que ajudou a manter o crescimento doméstico da demanda de petróleo sob controle.

Os países da associação podem trabalhar com a AIE em questões críticas, incluindo segurança energética, dados e estatísticas, e soluções de políticas energéticas. Esta parceria institucional também permite que os países participem em toda a gama de trabalho da AIE, incluindo seus comitês e atividades de capacitação e capacitação.

O abrangente programa de trabalho de três anos assinado pela Birol e pelo Ministro Coelho também inclui o compartilhamento das melhores práticas em integração de redes, design de mercado de gás e uma estreita cooperação em iniciativas de energia limpa, inclusive através do G20 e da Ministerial de Energia Limpa . O acordo permitirá que a IEA se beneficie da experiência do Brasil em desenvolver uma das misturas de energia mais limpas do mundo.

Voltar ao Topo