Petróleo

Brasil impulsiona exportação de petróleo para a Ásia

O aumento reflete a influência crescente do Brasil entre os produtores globais de petróleo, à medida que seus enormes projetos offshore entram em operação

 Brasil aumentou as exportações de petróleo bruto para a Ásia no primeiro semestre do ano, roubando uma fatia de um cobiçado mercado em desenvolvimento de rivais globais que fizeram cortes recordes nas remessas para corresponder à queda sem precedentes na demanda causada pela pandemia do coronavírus .

O aumento reflete a influência crescente do Brasil entre os produtores globais de petróleo, à medida que seus enormes projetos offshore entram em operação. O Brasil deve entregar um dos maiores aumentos no abastecimento global nos próximos cinco anos de nações fora da Organização dos Países Exportadores de Petróleo, de acordo com a Agência Internacional de Energia .

A empresa estatal de petróleo Petrobras ofereceu às refinarias asiáticas acordos competitivos sobre petróleo de qualidade relativamente alta, enquanto a China e outros países da região reabriam suas economias e as nações ocidentais travavam restrições para conter a disseminação do coronavírus , disseram os comerciantes.

A China também aproveitou os preços do petróleo mais baixos em décadas para encher o armazenamento estratégico.

“Se tivéssemos mais petróleo disponível, a China compraria”, disse o presidente-executivo da Petrobras, Roberto Castello Branco, à Reuters em resposta por escrito às perguntas.

Castello Branco disse que não há mais o que vender para impulsionar ainda mais as exportações, porque a demanda no Brasil está se recuperando.

A China é agora o destino de 70 por cento das exportações do país, disse a Petrobras em comunicado à Reuters.

A Ásia importou uma média de 1,07 milhão de barris por dia de petróleo do Brasil no primeiro semestre do ano, um aumento de 30% no comparativo anual, de acordo com os dados de fluxos comerciais da Refinitiv Eikon.

Um recorde de 1,62 milhão de bpd de petróleo brasileiro chegou aos portos asiáticos em junho, quase o triplo do volume de junho de 2019, segundo os dados. Gráfico que mostra as importações de petróleo da Ásia da América Latina: https://graphics.reuters.com/OIL-LATAM/ASIA/azgvorqzjpd/

Refinadores asiáticos estavam interessados ​​no óleo com baixo teor de enxofre que o Brasil vende, pois buscavam cumprir as novas regulamentações marítimas para abastecer navios com combustível mais limpo. O petróleo provém dos prolíficos depósitos offshore do Brasil, conhecidos como campos do pré-sal, nos quais a Petrobras e as grandes petrolíferas estão gastando centenas de bilhões de dólares para desenvolver.

Isso ofereceu à Petrobras uma oportunidade de aumentar seu mercado, mesmo com a OPEP e seus aliados, conhecidos coletivamente como OPEP +, cortando o fornecimento em um recorde de 9,7 milhões de bpd.

A Petrobras está confiante de que a qualidade de seu petróleo permitirá que ela defenda sua maior participação de mercado na Ásia, mesmo com os produtores globais começando a bombear mais petróleo.

“Havia uma estratégia bem planejada para expandir as vendas de petróleo no mercado asiático”, disse a empresa. “Mesmo que a OPEP + restaure os níveis de produção, acreditamos que isso terá pouco impacto nas exportações.”

O aumento das exportações também significou que a Petrobras não precisava alugar petroleiros apenas para armazenar petróleo, uma opção cara que os rivais em todo o mundo foram forçados a tomar, pois a demanda despencou durante os bloqueios e os refinadores não queriam mais seu petróleo.

A ascensão do Brasil ocorreu quando os produtores latino-americanos rivais cederam terreno. As importações de petróleo da Ásia da Venezuela afetada pelas sanções caíram 35% no mesmo período, enquanto as compras do México caíram 9,5%, mostraram os dados.

O petróleo do Brasil também deslocou alguns suprimentos da África Ocidental na China e na Índia, de acordo com dados desses países.

A retomada do consumo nos últimos meses no Brasil está deixando menos petróleo para exportação, de modo que as vendas internacionais não devem subir mais no segundo semestre do ano.

“A China deve parar de recompor estoques nos próximos meses e a demanda por combustível no Brasil se recuperará”, disse Marcelo de Assis, chefe de Pesquisa Upstream da América Latina da Wood Mackenzie.

OUTROS PRODUTORES

As empresas internacionais de petróleo que operam no Brasil seguiram o exemplo da Petrobras para evitar encher o armazenamento e fazer cortes no fornecimento, disseram traders que trabalham com petróleo local.

O Brasil aumentou a produção total para um recorde de 2,97 milhões de bpd até agora este ano, ante 2,6 milhões de bpd no mesmo período de 2019. Isso o torna o maior produtor da América Latina.

Empresas internacionais, incluindo Royal Dutch Shell e Total, produzem cerca de um quarto do petróleo brasileiro.

A produção brasileira deve dobrar até 2030, de acordo com a Associação Nacional do Petróleo do país . As empresas de petróleo, incluindo a Exxon Mobil, verão sua participação na produção crescer à medida que desenvolvem áreas adquiridas nos últimos anos.

Em abril, a Petrobras sozinha exportou mais de 1 milhão de bpd para a Ásia, ou 145 por cento acima do mesmo mês de 2019, com cerca de dois terços indo para a China.

“Nosso produto está recebendo muito reconhecimento na Ásia”, disse a diretora financeira da Petrobras, Andrea Almeida, em um webinar no início deste mês.

NOVA REFERÊNCIA

O petróleo Lula do Brasil está aos poucos substituindo os crus Merey da Venezuela e Maia do México como o principal produto da América Latina na Ásia.

O petróleo brasileiro é mais leve e mais doce do que os tipos rivais na América Latina, e o preço está intimamente ligado ao petróleo Brent, referência global.

Na semana passada, traders estavam oferecendo Lula para entrega na China a um prêmio de cerca de US $ 3 por barril acima do Brent, de acordo com duas fontes.

O México está perdendo terreno na Ásia ao tentar aumentar as exportações para os Estados Unidos . Ela também está refinando mais petróleo no mercado interno para conter as importações de combustível.

Até o final de 2018, a Venezuela era o maior fornecedor da América Latina para a Ásia. Mas os embarques despencaram para uma baixa de quase 80 anos, à medida que as sanções dos EUA impedem os refinadores de comprar petróleo venezuelano.

Não fazia sentido para o Brasil, que não é membro da OPEP +, cortar as exportações no momento em que os projetos estavam em expansão, disse Assis da Wood Mackenzie.

“Se você está aumentando a produção em alguns campos, como no Brasil, não faz sentido cortar a produção para atender à demanda menor, porque custa mais”, disse Assis.

Voltar ao Topo