Notícias

Brasil criará mercado de crédito de carbono

O governo brasileiro está preparando um decreto com a estrutura que criará um mercado de crédito de carbono , medida há muito esperada pelos empresários locais.

O decreto provavelmente será publicado no Diário Oficial nos próximos dias, segundo o Ministério do Meio Ambiente.

“A criação de um sistema de fixação de preços para um mercado de crédito de carbono ganhou escala. Desde 2020, estamos em diálogo com o governo e o congresso para criar esse mercado, que beneficiará empresas e setores com compromissos sustentáveis”, Gonzalo Visedo, o chefe de meio ambiente e sustentabilidade da associação brasileira de produtores de cimento SNIC, disse à BNamericas. 

“Uma vez estabelecido o sistema de precificação do carbono, os setores que não se adaptarem morrerão”, acrescentou Visedo. 

Um mercado de créditos de carbono também ajudará os setores que têm mais dificuldade em reduzir as emissões a compensar seus efeitos por meio da compra de créditos.

– “Todos esses detalhes representam um grande avanço na criação de instrumentos econômicos que possibilitem a monetização de ativos ambientais e a exportação de créditos de carbono para o mundo”, disse o ministro do Meio Ambiente, Joaquin Leite, em uma conferência de crédito de carbono e investimento verde no Rio de Janeiro. 

Na mesma conferência, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que os créditos de carbono ajudarão a preservar as florestas brasileiras. “Vale mais uma árvore viva do que uma árvore morta. Vamos cuidar e preservar nosso meio ambiente”, disse Guedes. 

Com a criação de um mercado de crédito de carbono, o governo também pretende mudar a imagem do presidente Jair Bolsonaro, que vem sendo criticado por líderes globais pelo aumento do desmatamento e flexibilização das normas de proteção ambiental.

“Somos a maior fronteira de investimento em energia do mundo, temos a energia mais limpa do mundo e também vamos produzir a energia mais barata do mundo”, disse Guedes no evento.

Segundo o governo, o país tem um enorme potencial de 700 mil GW para produção de energia offshore.

Voltar ao Topo