Tecnologia

Brasil e China negociam para estreitar laços de ciência e tecnologia

Tecnologia

Brasil e China estão em negociações para fortalecer a cooperação bilateral dos países em ciência e tecnologia, principalmente em áreas como inteligência artificial, cidades inteligentes, tecnologias espaciais e áreas de saúde, como desenvolvimento de vacinas e sequenciamento genômico, além do intercâmbio de cientistas e pesquisadores.

As áreas de interesse mútuo para potencial cooperação foram discutidas durante uma reunião virtual entre o ministro brasileiro da ciência, tecnologia e inovação, Marcos Pontes, e o ministro da ciência e tecnologia da China, Wang Zhigang, no dia 17 de junho.

“Temos uma cooperação intensa, produtiva e de longa data com a China”, disse Pontes. Durante o encontro, o ministro brasileiro sugeriu a possibilidade de uma cooperação renovada em temas como produção de alimentos, acesso à água, mudanças climáticas, energias renováveis ​​e geração de empregos, que serão afetados pelos avanços tecnológicos.

Além disso, os ministérios concordaram em discutir os detalhes da reunião da subcomissão de Ciência, Tecnologia e Inovação da Comissão Sino-Brasileira de Alto Acordo e Cooperação, prevista para ocorrer em setembro deste ano.

Para Wang Zhigang, o encontro é “um ponto de partida” no sentido de fortalecer a cooperação entre os dois países em matéria de ciência e tecnologia. O ministro chinês concordou com as propostas de áreas de interesse comum do Brasil, mas destacou a necessidade de estabelecer mecanismos de financiamento para colocar em prática as ações conjuntas.

“É preciso manter as parcerias firmadas nos últimos anos e buscar novos tipos de cooperação. Temos que olhar para o passado e pensar no futuro”, destacou.

No início deste ano, o ministro brasileiro da Ciência e Tecnologia viu a redução mais severa nos orçamentos ministeriais do país para 2021. Em audiência pública no Congresso brasileiro no início de abril, o ministro Pontes disse que o atual orçamento departamental é insuficiente para a manutenção básica do 28 organizações de pesquisa vinculadas ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

Voltar ao Topo