Empregos

Brasil alcança a marca de 10 gigawatts (GW) de capacidade eólica instalada em 2016

O Brasil alcançou a marca de 10 gigawatts (GW) de capacidade eólica instalada, distribuída em 400 parques e mais de 5.200 aerogeradores em operação neste ano. Com isso, essa fonte de energia renovável representa 7% da matriz energética brasileira e registra 80% de nacionalização.

No ano passado, a energia eólica abasteceu mensalmente uma população equivalente a todo o Sul do país e gerou 41 mil postos de trabalho. Os investimentos feitos desde 1998 chegam a R$ 60 bilhões. No mesmo período, essa fonte energética teve participação de 39,3% na expansão da matriz, enquanto a hidrelétrica ficou com 35,1% e a termelétrica 25,6%.

Os dados foram divulgados no dia 30 de agosto, na abertura da 7º Wind Power 2016, encontro anual do setor, no Centro de Convenções Sulamérica, região central do Rio. No evento, a AssociaçãoBrasileira de Energia Eólica (ABEEólica) anunciou que estão contratados perto de 9 GW em 2016 e a previsão é chegar a 2020 com 18,4 GW de capacidade instalada. Com a realização de novos leilões, como o previsto para dezembro deste ano, mais capacidade deverá ser adicionada à curva abaixo para os próximos anos.

O Brasil tem se destacado mundialmente no setor energético. De acordo com o GWEC – Global World Energy Council, nosso país foi o quarto em crescimento de energia eólica no mundo em 2015, considerando os números de capacidade instalada, atrás da China, dos Estados Unidos e da Alemanha e representando 4,3% do total de nova capacidade instalada no ano passado no mundo todo. Em percentual, foi a nação que mais cresceu no mundo. De acordo com o “Boletim de EnergiaEólica Brasil e Mundo – Base 2015”, divulgado pelo Ministério de Minas e Energia em agosto de 2016, o Brasil subiu sete posições, nos últimos dois anos, ocupando hoje o oitavo lugar em geração, representando cerca de 3% de toda produção eólica mundial.

É muito positiva a substituição das energias fósseis pelas renováveis, como a produção eólica. Vale ressaltar que, para essa transição, e depois dela, é cada vez mais importante o papel do consumidor. Consumir energia de forma consciente é optar por fontes mais sustentáveis já existentes e demandar do mercado soluções de qualidade e em quantidade adequadas, além de utilizar o necessário para garantir bem-estar, sem desperdício. Apoiar o desenvolvimento de fontes renováveis de energia e a educação para o consumo consciente também são formas de contribuir para um futuro mais sustentável.

 

Fonte: Instituto Ecoação

Voltar ao Topo