Notícias

Bradesco, um dos maiores bancos do Brasil, deixa a Argentina

bradesco

O Bradesco, segundo maior banco privado do Brasil, está encerrando suas operações na Argentina. Principalmente um banco comercial que trabalha com empresas e comércio exterior, o Bradesco se soma a uma longa lista de empresas que deixaram de fazer negócios na Argentina e saíram ou estão saindo.

Embora o banco, de acordo com o sindicato dos bancários argentinos, tenha se recusado a vender sua carteira de clientes, ou sua licença, e, portanto, ignorado potenciais interessados, o Bradesco solicitou sua saída da Argentina há mais de dois meses. “Não é uma tarefa fácil, mas já começou e a decisão é definitiva. A Argentina deixou de ser um mercado interessante e não há possibilidades de desenvolvimento para nossas atividades ”, destacam os gestores do banco.

O Bradesco é um dos principais grupos financeiros do Brasil com sólido desempenho desde 1943, atrás apenas do Itaú Unibanco e do Banco do Brasil, e também o terceiro na América do Sul com US $ 308 bilhões em ativos, segundo ranking da S&P.

O Bradesco Argentina surgiu em 2000 como subsidiária do Bradesco Brasil, visando empresas argentinas, brasileiras e multinacionais. Na época, “a Argentina era a segunda economia mais forte da América do Sul e oferecia excelentes oportunidades de negócios”, disse sua web em Buenos Aires. Atualmente, o Bradesco é considerado um banco “residual” devido ao seu baixo giro.

De qualquer forma, o nome do Bradesco no meio financeiro impressiona e se junta a outras grandes corporações que saíram ou estão em processo de abandono da Argentina, entre elas a gigante varejista chilena Falabella, Latam Argentina, Walmart e a farmacêutica norte-americana Eli Lilly.

O êxodo é resultado de um ambiente nada amigável na Argentina, que também se refletiu em uma queda drástica do investimento estrangeiro direto, de apenas US $ 4.100 milhões no ano passado.

Voltar ao Topo