Offshore

BP impulsionará os gastos do Golfo do México com os rivais focados

A BP Plc anunciou na segunda-feira novas unidades de produção no Golfo do México, reforçando sua posição como a maior produtora do país, numa época em que grandes petrolíferas estão se esforçando para expandir a perfuração de xisto.

A BP, sediada na Grã-Bretanha, acrescentará duas novas unidades de produção submarina a cerca de 3,2 km ao sul de sua gigantesca plataforma Thunder Horse, com dois poços a curto prazo e oito poços totais planejados, informou a empresa nesta segunda-feira. A BP não divulgou o custo do investimento.

O investimento vai contra as tendências atuais do setor que enfatizam os gastos com o xisto, que impulsionou a produção dos EUA para mais de 12 milhões de barris por dia (bpd), tornando-o o maior produtor do mundo. A produção offshore dos EUA é responsável por 1,8 milhão de bpd, mas cresceu mais lentamente.

Assim como seus rivais, a BP concluiu uma enorme aquisição onshore, comprando ativos em terra da BHP Billiton por US $ 10,5 bilhões para melhorar sua posição de xisto. Esse novo investimento não prejudicou os planos da empresa para o Golfo.

Pessoas familiarizadas com as decisões de investimento da BP disseram à Reuters que as vastas reservas de petróleo e plataformas cada vez mais acessíveis tornam a formação uma boa proteção contra os riscos do xisto, onde a produtividade por poço da indústria caiu 14% em relação à alta de 2016. Entre as bacias de águas profundas, o clima regulatório confiável do Golfo do México torna a região particularmente atraente, afirmam analistas.

A BP informou que planeja aumentar sua produção no Golfo para cerca de 400.000 barris de óleo equivalente por dia (boed) até meados dos anos 2020. Isso é cerca de um quinto da produção total da região. A produção do Golfo da empresa já aumentou mais de 60 por cento de 2013 para mais de 300.000 boed.

Voltar ao Topo