Política

Bolsonaro é criticado por estar de férias em meio à crise de chuvas na Bahia

bolsonaro etanol

Na terça-feira, legisladores da oposição expressaram sua desaprovação ao fato de o presidente Jair Bolsonaro estar de férias para o Jubileu de Ano Novo, enquanto o estado da Bahia ainda tentava se recuperar das consequências letais de tempestades sem precedentes que deixaram cerca de 20 pessoas mortas depois que outras vítimas morreram após o fim de semana e milhares permaneceram evacuados de suas casas.

A hashtag “#Shameless Bolsonaro” fez do chefe de estado brasileiro um TT (trending topic) com mais de 50 mil menções negativas por fechar os olhos à situação da Bahia, que “sofre terrível emergência enquanto o presidente aproveita as férias como se nada estava acontecendo; O Brasil não pode fechar os olhos aos seus compatriotas neste momento de dor e necessidade! ”, Escreveu o senador Fabio Contarato, do opositor Partido dos Trabalhadores (PT).

O deputado Marcelo Freixo, do Partido Socialista Brasileiro (PSB) considerou a situação “o retrato de um país sem governo” e postou uma foto do Bolsonaro pescando e um homem nadando nas enchentes.

O governador da Bahia, Rui Costa, alertou sobre um desastre sem precedentes devido às enchentes. A situação de emergência já foi decretada em 72 municípios, 58 deles submersos.

Também foram criticadas o deputado de direita Kim Kataguiri, do Partido Democrata: “Não entendo as críticas do Bolsonaro por estar de férias, ele faz a mesma coisa que faz quando não está de férias: nada”.

A indignação em Bolsonaro aumentou depois que ele divulgou vídeos de si mesmo pescando, andando de jet ski e cumprimentando seus apoiadores na praia. O presidente e a primeira-dama Michele estão de férias em um complexo militar em São Francisco do Sul, no sul do estado de Santa Catarina, onde pretendem passar o réveillon.

O governo brasileiro disse que destinaria R $ 200 milhões (US $ 35,5 milhões) para obras de socorro na Bahia e em outros estados afetados por um mau tempo sem precedentes nos últimos dias. Fontes do Palácio do Planalto disseram em nota que o próprio Bolsonaro aprovou os fundos de socorro aos estados da Bahia, Amazonas, Minas Gerais, Pará e São Paulo.

Segundo o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, a maior parte dos recursos (R $ 80 milhões de reais ou US $ 14,2 milhões) irá para o estado da Bahia.

Voltar ao Topo