Benefícios

Atualização do CadÚnico garante Bolsa Família? Entenda

cadunico

Recentemente, o governo federal passou a exigir atualização do Cadastro Único para inscritos no Bolsa Família terem acesso ao benefício. A partir de novembro, entrará em vigor um novo projeto social no país. Com o nome de Auxílio Brasil, o programa deve atender cerca de 16 milhões de famílias e substituir o atual BF. Para ser um beneficiário, é preciso cumprir os requisitos abaixo.

A adoção do Auxílio Brasil vem sendo uma proposta debatida pelo governo federal há meses. Atento a possibilidade de reeleição em 2022, o presidente Jair Bolsonaro busca estreitar laços com a população de baixa renda para ganhar seus votos. Com isso, o Bolsa Família será reformulado.

Novo Bolsa Família

Já com seu texto entregue no Congresso Nacional, o Auxílio Brasil deverá funcionar a partir de novembro. Ele substituirá o atual Bolsa Família, dando uma turbinada no valor das mensalidades e no quantitativo de pessoas contempladas.

Até o momento a previsão é de que cerca de 16 milhões de famílias passem a ser beneficiadas, já contando os atuais inscritos no Bolsa Família e a migração de parte dos cidadãos vinculados ao auxílio emergencial.

Atualização no Cadastro Único passa a ser obrigatória

Recentemente o governo informou quais serão os critérios para ser um beneficiário. A população precisa obrigatoriamente estar registrada no Cadastro Único, com os dados atualizados ainda neste ano.

É necessário também comprovar ter uma renda mensal de meio salário mínimo por pessoa (R$ 550, atualmente) e renda mensal total de até três salários mínimos (R$ 3,3 mil, em valores atuais). 

Porém, para quem já é do Bolsa Família a vinculação será feita de forma automática, afirmou o Ministério da Cidadania.

Como acompanhar meu registro no Cadastro Único?

Para monitorar a plataforma, basta acessar o aplicativo Meu CadÚnico. Por meio dele, o cidadão deve informar seus dados de identificação pessoal, como nome completo, CPF e data de nascimento para verificar se todas as informações presentes estão regularizadas.

Para quem não tiver acesso à internet, o procedimento pode ser feito presencialmente em um Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) ou um posto de atendimento do CadÚnico.

É possível localizar o endereço mais próximo da sua residência no site do Mapas Estratégicos para Políticas de Cidadania (MOPS).

Documentos exigidos para atualização do CadÚnico

  • O responsável familiar precisará levar apenas o próprio título de eleitor ou CPF
  • O comprovante de endereço é sugerido para não haver erros no ato do cadastramento
  • Os demais membros da família precisam ter um desses documentos: CPF, RG, certidão de nascimento, certidão de casamento, carteira de trabalho ou título de eleitor.

Quem pode se cadastrar?

A plataforma aceita a vinculação de pessoas que:

  • Possuem renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa;
  • Renda mensal total de até três salários mínimos
  • Famílias que têm recebem acima destes valores, mas que sejam público alvo de programas, benefícios e serviços específicos
  • Pessoas que moram sozinhas podem ser cadastradas, ou seja, famílias unipessoais;
  • Pessoas que vivem em situação de rua, sejam elas sozinhas ou com a família.

É importante ressaltar que a atualização do cadastro único deve ser feita anualmente com um prazo máximo de até 2 anos.

Quais os benefícios do novo Bolsa Família?

Até o momento, o governo federal não divulgou o valor das mensalidades de seu novo projeto. De acordo com Bolsonaro, cada família terá acesso há uma quantia mínima de R$ 300, ela será determinada, no entanto, a partir da aceitação nos seguintes abonos:

  • Benefício Primeira Infância: Contempla famílias com crianças com até 36 meses incompletos.
  • Benefício Composição Familiar: Diferentemente do Bolsa Família, que limita o benefício aos jovens de até 17 anos, será destinado a jovens de 18 a 21 anos incompletos. O objetivo, segundo o governo, é incentivar esse grupo a concluir ao menos um nível de escolarização formal.
  • Benefício de Superação da Extrema Pobreza: Se após receber os benefícios anteriores a renda mensal per capita da família não superar a linha da extrema pobreza, ela terá direito a um apoio financeiro sem limitações relacionadas ao número de integrantes do núcleo familiar.
  • Auxílio Esporte Escolar: Destinado a estudantes com idades entre 12 e 17 anos incompletos, membros de famílias beneficiárias do Auxílio Brasil e que se destacarem nos Jogos Escolares Brasileiros.
  • Bolsa de Iniciação Científica Júnior: Para estudantes com bom desempenho em competições acadêmicas e científicas e que sejam beneficiários do Auxílio Brasil. A transferência do valor será feita em 12 parcelas mensais. Não há número máximo de beneficiários por núcleo familiar.
  • Auxílio Criança Cidadã: Destinado ao responsável por família com criança de até 48 meses incompletos que consiga fonte de renda, mas não encontre vaga em creches públicas ou privadas da rede conveniada. O valor será pago até a criança completar 48 meses de vida, e o limite por núcleo familiar ainda será regulamentado.
  • Auxílio Inclusão Produtiva Rural: Pago por até 36 meses aos agricultores familiares inscritos no Cadastro Único.
  • Auxílio Inclusão Produtiva Urbana: quem estiver na folha de pagamento do programa Auxílio Brasil e comprovar vínculo de emprego formal receberá o benefício.
  • Benefício Compensatório de Transição: Para famílias beneficiadas pelo Bolsa Família e perderem parte do valor recebido após o enquadramento no Auxílio Brasil. Será concedido no período de implementação do novo programa e mantido até que haja acréscimo no valor recebido pela família ou até que não se enquadre mais nos critérios de elegibilidade.

Voltar ao Topo