Energia

Atraso na expansão da infraestutura reduz ganhos

Os atrasos na expansão da infraestrutura portuária de terminais deixou de gerar mais de R$ 6,3 bilhões aos investidores, calcula o estudo “As barreiras da burocracia: o setor portuário”, da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O atraso foi estimado por meio do impacto na geração de caixa para os potenciais empreendedores que assumirem o conjunto de 50 arrendamentos de áreas públicas previstos nos blocos 1 e 2 do Programa de Investimentos em Logística (PIL) e de autorizações de terminais de uso privado com contrato de adesão assinados até 23 de novembro de 2015.

Para tanto, a CNI considerou o tempo de atraso relativo das obras – diferença entre o tempo histórico e o considerado adequado -, a capacidade de movimentação de cargas (medida por toneladas por ano) em atraso das obras previstas e a receita esperada para essa oferta de movimentação.

No caso dos arrendamentos, o Tribunal de Contras da União (TCU) levou um ano e meio até liberar os primeiros 29 estudos de arrendamentos. O tempo considerado pela CNI como “esperado” era de pouco mais de meio ano. “Acredita-se que essa morosidade, juntamente com atrasos no cronograma do programa, pode se repetir futuramente, embora o tempo considerado adequado esteja na faixa de 6 meses”, diz o estudo.

As autorizações para construção de terminais de uso privado, que não dependem de licitação por serem erguidos em área própria, levaram um tempo médio de um ano entre a data do anúncio público e a da assinatura do contrato de adesão. “De acordo com os prazos instituídos pela legislação atual e divulgados pela ATP [Associação de Terminais Portuários Privados], esse período deveria ser de cerca de 6 meses”, pontua o levantamento.

Finalmente, o tempo médio para obtenção de licença ambiental é de quatro anos, o que afeta a previsibilidade de investimentos, diz a CNI. “Por isso, há um projeto de lei que prevê que obras estratégicas passem por um caminho mais curto (fast track), de até 8 meses”.

 

 

Fonte: Valor Econômico/Fernanda Pires | De São Paulo

Voltar ao Topo