Óleo e Gás

As próximas rodadas de licenças são uma grande promessa para o Brasil

A recente retomada dos programas de exploração coloca o Brasil no caminho para ser um dos maiores produtores de petróleo do mundo nos próximos 10 anos, disse Felipe Kury, diretor da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do Brasil.

O desafio “é ter essa pluralidade de atores e vários ambientes”, disse Kury. Para ele, esse é “um momento incrível” para o Brasil se tornar líder no setor. Ele acrescentou que essa possibilidade é concreta e real devido à atividade produtiva que está avançando.

Kury disse que o relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) levantando a possibilidade de conflito devido ao fato dos leilões estarem muito próximos não vai alterar o cronograma estabelecido pela ANP, nem sua recomendação ao Conselho Nacional de Política Energética (CNPE). para manter as datas agendadas.

“O TCU está fazendo o trabalho que tem que fazer. Em cada rodada, trocamos muitas informações. E é um trabalho que dá robustez ao processo.” Ao lado da ANP, ele disse que as orientações recebidas do CNPE estão sendo seguidas. Além disso, várias ofertas de leilão poderiam possibilitar que uma empresa participasse de uma sessão de negociação, que não podia licitar em outra, disse ele. “Existem várias opções.”

Kury destacou que foi uma jornada muito intensa nos últimos dois anos para retomar os leilões. Foram vendidos 72 blocos, com arrecadação de R $ 28 bilhões em bônus de assinatura. “É uma demonstração significativa da retomada do processo de exploração de petróleo no Brasil”.

A 16ª Rodada de Exploração de Blocos de Petróleo e Gás e a 6ª Rodada de Partilha de Produção do Pré-Sal têm leilões marcados para 10 de outubro e 7 de novembro, respectivamente. O leilão do excedente da Transferência de Direitos está marcado para o dia 6 de novembro.

No caso do excedente de Transferência de Direitos, existe um operador, que é a Petrobras, e a ANP depende de informações da empresa para compor os dados técnicos. O leilão da Oferta Permanente da ANP, composto por campos devolvidos ou em processo de devolução, blocos exploratórios oferecidos em rodadas anteriores e não vendidos, bem como blocos devolvidos à ANP. A operação está prevista para o dia 10 de setembro e conta com 47 empresas cadastradas até o momento.

Felipe Kury destacou que o leilão do excedente da Transferência de Direitos deve arrecadar US $ 106 bilhões em bônus de assinatura. “Eu diria que é o maior leilão já visto na história do Brasil.” Portanto, considerou-se natural que o TCU solicitasse detalhes para garantir que o processo seja feito sem problemas. A 16ª rodada tem um bônus mínimo estimado de R $ 3,2 bilhões, se todas as áreas forem vendidas, com investimento de R $ 790 milhões. A 6ª rodada tem um bônus de assinatura de US $ 7,8 bilhões. Para a oferta permanente, ainda não há estimativa da ANP.

Kury observou que os leilões realizados há dois anos e os leilões planejados para este ano têm um horizonte de 20 a 30 anos para a produção e movimentam toda a cadeia, com a possibilidade de mudar a matriz energética do país injetando gás natural na matriz. “Pode ser transformacional para o setor químico e para a indústria”. Com o relaxamento das regras de conteúdo local, disse o diretor da ANP, será possível desbloquear alguns contratos e os que já estão assinados já vêm com as novas regras.

Na expectativa de Kury, essa produção gerará recursos para investimento em pesquisa e desenvolvimento (P & D), equivalente a 1% da produção. “Também impulsiona toda uma cadeia de serviços e a comunidade acadêmica.”

Ele disse que, como aconteceu há alguns anos com a Petrobras investindo em pesquisa de exploração em águas profundas, da qual é líder global, várias outras questões podem ser abordadas com esses recursos gerados pela cláusula de P & D. Nos últimos dez anos, o montante investido em conhecimento totalizou cerca de US $ 13 bilhões. “Agora deve dobrar ou triplicar nos próximos dez anos.” Ele estimou que o orçamento para a inovação poderia chegar a US $ 1,8 bilhão somente este ano.

Voltar ao Topo