Economia

Agribrasil vai dobrar receita, olha IPO, diz CEO

O comerciante de grãos brasileiro Agribrasil prevê que vai mais do que dobrar a receita este ano, à medida que o boom de commodities alimentadas pela China no Brasil aumenta as perspectivas da empresa, disse o fundador da empresa e CEO Frederico Humberg na quarta-feira (02).

Humberg disse que agora espera que a receita da empresa suba para 1 bilhão de reais este ano, de 390 milhões de reais em 2019, já que a demanda por grãos como milho e soja continua forte.

Graças a uma moeda fraca e uma queda acentuada nos custos de logística, a Agribrasil comercializará cerca de 1 milhão de toneladas este ano, ante 450.000 toneladas no ano anterior, superando as expectativas já otimistas de Humberg.

“É uma combinação de fatores, o mercado continua bom e este ano foi fantástico, apesar da pandemia”, disse ele.

Humberg revelou ainda que a Agribrasil tem planos de longo prazo para abrir o capital, listando suas ações em um segmento especial da bolsa B3, com o objetivo de arrecadar até 200 milhões de reais para serem aplicados em um terminal portuário.

Humberg disse que a listagem poderá ocorrer no próximo ano, se as condições de mercado permitirem, ele disse que o terminal portuário pode estar localizado no sul ou no nordeste do Brasil.

A Agribrasil ainda não possui nenhum ativo de logística, mas pode quadruplicar a receita em quatro anos e ser uma das 10 maiores comercializadoras de grãos do Brasil em cinco, disse ele.

No futuro, a Agribrasil pode adicionar operações de processamento de grãos ao seu negócio de comercialização existente, disse o executivo.

Humberg fundou a empresa em 2016 depois de trabalhar para empresas maiores, incluindo Glencore e Bunge, ele também atuou como presidente-executivo da Gavilon, comerciante de grãos com sede nos Estados Unidos e propriedade da japonesa Marubeni.

Humberg liderou o Gavilon por cinco anos e trouxe parte de sua equipe de lá para a Agribrasil.

Voltar ao Topo