Energia

A energia eólica como uma das que mais crescem no Brasil

O Plano Nacional de Energia 2050 (PNE 2050), elaborado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e em consulta pública no site do Ministério de Minas e Energia (MME), destaca a energia eólica como uma das que mais crescem no Brasil e com papel significativo nas projeções do setor de energia.
Nesse contexto, o PNE 2050, que visa subsidiar decisões estratégicas do Governo em relação à expansão do setor de energia, cita o Novo Atlas do Potencial Eólico Brasileiro, desenvolvido pelo Cepel, como importante fonte de informação sobre o potencial de fonte essa não só no país em geral, mas também em vários estados altamente promissores que não geraram seu próprio Atlas, como Maranhão, Piauí e Sergipe.

O novo Atlas é resultado de um esforço conjunto do Cepel e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) para atualizar o documento, cuja primeira versão data de 2001. O pesquisador do Cepel Ricardo Dutra, um dos coordenadores da iniciativa, comenta sobre. “No Atlas de 2001, todas as informações eram referenciadas para uma altura de 50 metros, já que os aerogeradores que estavam comercialmente disponíveis naquela época eram limitados a essa altura. Com o avanço tecnológico dos aerogeradores comercializados no Brasil, surgiu a necessidade de se conhecer o potencial eólico em alturas superiores a 50 m. Assim, o Cepel, em cooperação com o Inpe, atualizou o Atlas 2001 em diferentes alturas: 30, 50, 80, 100, 120, 150 e 200 m ”.

A pesquisadora explica que, ao contrário de outros atlas eólicos desenvolvidos exclusivamente para alguns estados da Federação, o Novo Atlas do Potencial Eólico Brasileiro traz todas as informações em mapas temáticos (pdf) em formato tabular (csv) e em formato georreferenciado (kmz) para download gratuito em http://www.novoatlas.cepel.br

As informações do Novo Atlas do Potencial Eólico Brasileiro também foram utilizadas pela EPE na elaboração do Mapa Eólico Offshore do Brasil, cujo objetivo é identificar possíveis desafios para o desenvolvimento da energia eólica offshore no país.

Voltar ao Topo